Nos casos de síndrome da insuficiência respiratória aguda (ARDS) por SARS-CoV-2 verifica-se uma resposta inflamatória extensa a nível pulmonar, sem alterações claras a nível hepático e cardíaco

Referência: Xu Z, Shi L, Wang Y et al. (2020). Pathological findings of COVID-19 associated with acute respiratory distress syndrome. The Lancet Respiratory Medicine. doi:10.1016/s2213-2600(20)30076-

Análise do estudo: Neste artigo foram investigadas as características patológicas de um caso de um homem de 50 anos com infecção severa com SARS-CoV-2 após exposição em Wuhan, com recurso a biópsias pulmonares, hepáticas e cardíacas pósmorte. Na biópsia pulmonar verificou-se a presença de lesão alveolar difusa bilateral com exsudados celulares fibromixóides, uma descamação evidente dos pneumócitos, formação de uma membrana hialina (indicativo de ARDS) e infiltrados intersticiais mononucleares, com predomínio linfocítico. Estas alterações são muito semelhantes às encontradas nos pulmões de doentes com SARS e/ou MERS. A biópsia hepática mostrou uma esteatose microvesicular moderada e actividade portal e lobular ligeira, sem que fosse possível esclarecer se estas alterações teriam sido provocadas pelo SARS-CoV-2 ou pelos fármacos administrados durante o internamento do doente. Não se verificaram alterações óbvias nas biópsias cardíacas, apesar da existência de alguns infiltrados mononucleares intersticiais, o que sugere que esta infecção não afecta directamente o coração. Adicionalmente, verificou-se um aumento na concentração de células pro-inflamatórias e uma sobreactivação das células T.

Aplicação prática: Apesar do tratamento com corticosteróides não estar rotineiramente recomendado nos casos de pneumonia por uma infecção pelo SARS-CoV-2, a sua utilização em combinação com suporte ventilatório deve ser considerada nos casos severos para prevenir o desenvolvimento de ARDS. A baixa de linfócitos (linfopénia) é uma característica comum nos pacientes com COVID-19 e pode ser um fator de risco associado com a severidade e mortalidade da doença.

Autores: Juan Rachadell , Raquel Vareda, Fausto S.A. Pinto, Rodrigo Duarte, Susana Oliveira Henriques e António Vaz Carneiro

Instituto de Saúde Baseado na Evidência (ISBE)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s